As 5 forças de Porter

Quando surgiram as “Cinco forças de Porter”, em 1979, a partir de modelo concebido por Michael Porter e publicado no artigo "As cinco forças competitivas que moldam a estratégia", na Harvard Business Review, a ideia era substituir o modelo de análise SWOT. Mas ambas existem até hoje, cada uma com sua função e aplicação.

A ideia de Porter estava atrelada à análise da competição entre empresas, com o objetivo de avaliar se determinado novo empreendimento seria interessante e oportuno. As cinco forças são as seguintes:
1. Rivalidade entre os concorrentes
2. Poder de negociação dos clientes
3. Poder de negociação dos fornecedores
4. Ameaça de entrada de novos concorrentes
5. Ameaça de produtos substitutos
Rivalidade entre os concorrentes – se você não conhece sua concorrência, está se colocando em risco, podendo perder espaço, mercado, clientes, tudo.
Poder de negociação dos clientes – nunca esqueça que o cliente quer sempre pagar menos e levar mais. Em um mercado competitivo, ele quer mais qualidade e pressiona a empresa sempre deixando claro que pode migrar para o concorrente. A fidelização pode ser a solução.
Poder de negociação dos fornecedores – embora fornecedores tenham o objetivo de vender e lucrar, podem desequilibrar o mercado oferecendo melhores condições para um cliente em detrimento do outro.
Ameaça de entrada de novos concorrentes – esta força também pode ser a de “barreiras à entrada de concorrentes”. Dependendo do tipo de mercado, onde quem já se estabeleceu conseguiu criar barreiras, pode ser uma luta inglória ou a obtenção de uma fatia pequena e pouco lucrativa.
Ameaça de produtos substitutos – tanto pode se tratar da criação de um produto melhor e mais barato que conquiste o espaço do seu produto, como pode ser a obsolescência daquilo que você produz por falta de evolução tecnológica ou mudança do mercado que não se interessa mais pelo produto.
É interessante se aprofundar sobre as Cinco forças de Porter e fazer o exercício da análise não apenas para determinar se vale a pena empreender ou reposicionar um negócio já existente.